O que diz a ciência sobre os pesadelos

28 de junho, 2021

O que diz a ciência sobre os pesadelos

Considere-se um privilegiado se você nunca acordou no meio da madrugada ofegante, com o coração acelerado e/ou assustado depois de um episódio de pesadelos. A maioria das pessoas, mais cedo ou mais tarde (mais cedo do que tarde na grande maioria dos casos), vai passar por isso em algum momento da sua vida.

Repare que dissemos “pessoas” e não crianças. Isso porque apesar de os pesadelos serem mais associados à infância, eles podem acontecer em qualquer fase da vida

Apesar disso, neste caso a sabedoria popular não está de todo errada. Até 50% das crianças de 3 a 6 anos de idade podem ter pesadelos tão frequentes ou intensos a ponto de preocupar os pais. Já no caso dos adultos, estima-se que de 2% a 8% os tenham com recorrência, mas um em cada dois maiores de idade já apresentaram episódios noturnos negativos. 

O que são os pesadelos

Pesadelos são versões muito intensas de um sonho ruim. Porque não, um pesadelo e um sonho ruim não são a mesma coisa.

Um pesadelo é um sonho vívido com narrativa ameaçadora, inquietante, negativamente bizarra ou que prejudica a tranquilidade noturna de quem passa por ele. Assim como os sonhos “positivos”, eles acontecem em maior parte durante o sono REM, na qual os olhos se movimentam rapidamente e que é mais presente na segunda metade da noite. 

Enquanto os pesadelos são intensos o suficiente para que uma pessoa acorde, os sonhos ruins não tem esse poder. Essa distinção é importante para entendermos a correlação entre eles, a saúde mental e a vida em geral, uma vez que o mal-estar está muito mais relacionado aos pesadelos do que a sonhos ruins pontuais. 

Em outras palavras, o estresse gera mais pesadelos do que gera que sonhos ruins. E mais: pessoas com pesadelos frequentes também reportam sonhos ruins com uma frequência acima da média, enquanto pessoas com sonhos ruins frequentes não têm pesadelos com mais recorrência que as demais. 

O que causa um pesadelo

Assim como os sonhos, os pesadelos não têm uma causa específica. O que eles têm são gatilhos que podem, ou não, criar esses cenários durante o sono. 

Alguns desses gatilhos são:

  • Abuso de substâncias lícitas (álcool) e ilícitas (drogas recreativas).
  • Ansiedade e estresse, sendo eles distúrbios crônicos ou causados por um infortúnio pontual, como problemas no trabalho, a perda de um ente querido ou estar vivendo em meio à maior crise sanitária dessa geração.
  • Filmes, livros, documentários e mídias assustadoras em geral podem, de fato, causar uma noite de pesadelos. Essa não é uma “crendice popular”.
  • Histórico familiar de parassonias ou distúrbio de pesadelos.
  • Privação do sono. Tanto o sono irregular causado por mudanças na rotina quanto a insônia podem ser gatilhos para sonhos vívidos e pesadelos. 
  • Distúrbios de saúde mental como a depressão.
  • Trauma, com pesadelos sendo um sintoma comum em pessoas com PTSD / TEPT (transtorno de estresse pós-traumático).
  • Uso de medicamentos como antidepressivos, reguladores de pressão arterial e tratamento de mal de Parkinson.  
  • Retirada de certos medicamentos da rotina, especificamente aqueles que suprimem o sono REM. A diminuição ou supressão dessas substâncias no organismo pode causar um efeito rebote e aumentar temporariamente a proporção de sono REM e, consequentemente, intensificar sonhos vívidos e pesadelos.

Existe também uma hipótese que fala sobre a propensão a pesadelos ter origem genética. Um estudo finlandês analisou pares de gêmeos e encontrou mais similaridade de recorrência de episódios entre os gêmeos monozigóticos (univitelinos, os chamados gêmeos idênticos) do que em gêmeos dizigóticos (fraternos).

Quando procurar um médico?

Antes de mais nada, vale a pena repetir: é normal ter pesadelos em quaisquer faixas etárias. Por mais que sejam mais comuns nas crianças da chamada primeira infância, eles podem acontecer a qualquer momento da vida.

Ao mesmo tempo, é importante diferenciar episódios de pesadelos do Transtorno do Pesadelo, esse sim um distúrbio que pode exigir acompanhamento médico e tratamento. 

O transtorno do pesadelo é um distúrbio do sono do tipo parassonia, ou seja, é um evento ou experiência pouco comum que ocorre enquanto uma pessoa dorme. De acordo com o DSM–5 (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – Manual Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais) da Associação Americana de Psiquiatria, os critérios do diagnóstico do transtorno do pesadelo são: 

1. Ocorrências repetidas e extremamente disfóricas, que geralmente envolvem esforços para evitar ameaças à segurança, à sobrevivência e à integridade física, e são facilmente recordadas pela manhã.

2. Ao acordar, não existe a letargia normalmente associada aos primeiros minutos do dia. A pessoa já acorda alerta e orientada.

3. Os pesadelos causam significativos estresse e alterações no comportamento, gerando prejuízos à vida pessoal, profissional e social do indivíduo.

4. Os pesadelos não são decorrência dos efeitos psicológicos do uso de substâncias, sejam elas lícitas ou ilícitas. 

5. Os transtornos mentais e médicos coexistentes aos pesadelos não explicam adequadamente a queixa predominante de sonhos disfóricos.

Caso você se sinta identificado com um ou mais desses critérios, esteja apresentando episódios de pesadelos muito frequentes e/ou perceba que eles estão atrapalhando a sua vida cotidiana, é necessário abordar esse tema com o seu médico de confiança ou buscar um médico do sono que possa, de fato, dar o diagnóstico. 

Manter um diário do sono, manual ou via aplicativo, pode ajudar você entender essa recorrência, intensidade e consequências na sua vida.

O tratamento para o Transtorno do Pesadelo pode incluir psicoterapia e medicação, além de um “treinamento” para domar esses sonhos ruins.  Em uma edição de 2015 da Revista do Sono, o neurologista e membro da Associação Brasileira do Sono, Dr. Luciano Ribeiro explica: “Essa abordagem é denominada terapia comportamental da imagem reversa, uma vez que o paciente é treinado a desenvolver a capacidade de transformar seu pesadelo em um sonho lúcido e, dessa forma, modificar o enredo do seu pesadelo”

O Dr. Luciano, porém, alerta que esse não é um processo fácil, que ele leva tempo e exige muita dedicação do paciente. 

Continue acompanhando o conteúdo do Persono para aprender mais sobre pesadelos e outras características do seu sono.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email