Covid-19: como mudou o sono dos atletas na pandemia

09 de junho, 2021

Covid-19: como mudou o sono dos atletas na pandemia

Uma pesquisa publicada pelo Instituto de Sono em fevereiro de 2021 mostrou que 55,1% das pessoas alegaram uma piora do sono na quarentena. O tempo de tela e as preocupações do momento são considerados os principais culpados pelas noites ruins.

Os números corroboram com outras duas pesquisas publicadas anteriormente. Uma delas, feita pelo Ministério da Saúde, indicou que 41,7% dos brasileiros apresentaram distúrbios do sono durante a pandemia, tais como dificuldade para pegar no sono ou acordar.

Essas alterações dos padrões noturnos também foram percebidas na pesquisa Acorda, Brasil! do Persono, conduzida pela MindMiners e coordenada pela consultoria Unimark/Longo. Nela, 57% das pessoas disseram estar dormindo menos ou pior desde que foi decretada a pandemia no Brasil. 

Se para as pessoas “normais”, dormir está sendo um desafio, como será que foi afetado o sono dos atletas na pandemia? A resposta, acredite, pode te surpreender.

O sono dos atletas na pandemia vai na contramão

É isso mesmo que você leu: enquanto você está dormindo pior, os atletas na pandemia estão dormindo melhor.

Vale lembrar que, na ausência de uma definição precisa sobre o que significa dormir bem, existem alguns critérios que apontam para uma boa noite de sono. São eles:

  • Latência do sono de no máximo 30 minutos;
  • No máximo um despertar por noite;
  • No caso desse despertar de madrugada acontecer, conseguir voltar a dormir em até 20 minutos;
  • Passar dormindo 85% do tempo em que está na cama.

À exceção da latência do sono, que aumentou, os atletas realmente estão dormindo melhor. É a conclusão de um estudo do setor de Psicologia da Universidade Monash, em Melbourne, na Austrália.

Quase 600 atletas de diferentes modalidades responderam à pesquisa, que conseguiu concluir que “muitos deles (esportistas) conseguiram perceber os benefícios da melhoria no padrão de sono“. 

Isso aconteceu porque, sem longas viagens e treinos exaustivos em horários irregulares, os atletas na pandemia puderam mudar dois aspectos importantes do seu sono:

1. Horários seguindo o cronotipo (o famoso “relógio biológico”) e não mais a agenda de trabalho, com treinamentos, eventos e competições.

2. Regularidade de horários, algo tão importante quanto a duração da noite. 

Essa regularidade conseguiu diminuir entre os esportistas de elite o chamado jetlag social, termo cunhado em 2012 para se referir à diferença dos horários de dormir e acordar entre os dias de trabalho e os de descanso, quando tendemos a tentar “compensar” as horas de sono perdidas, prática comum, mas que não funciona. Os efeitos no organismo são os mesmos do jetlag meridional, aquele que sofremos quando viajamos.

+ Leia Mais: Faça o cálculo para saber se você tem jetlag social

Das piscinas e pistas para a cama: os atletas estão dormindo mais

Em um longo artigo publicado em agosto de 2020, o The New York Times relatou as mudanças na rotina dos atletas na pandemia. O foco eram os esportistas de alto rendimento e como eles estavam se adaptando à nova realidade, com a interrupção repentina da rotina de treinamentos e competição e o adiamento das Olimpíadas de Tóquio.

Alguns deles relataram que essa “pausa forçada” os fez reconsiderar os seus hábitos de treino e até mesmo o valor do sono nesse contexto.

É o caso da nadadora Claire Curzan, de apenas 16 anos. A pandemia mudou toda a sua rotina e sobretudo deu a ela tempo para aprender a lidar com a pressão. Ela conseguiu focar mais em sua melhora atlética e não apenas em rankings. 

O mais importante, porém, foi que sem os treinos nas primeiras horas do dia ela passou a dormir, pelo menos, nove horas por noite. “Você se sente melhor e não fica com tantas dores“.

Quando as competições voltaram com Claire já adaptada à sua nova rotina noturna, ela conseguiu bater o seu recorde pessoal quatro vezes na mesma competição.

A história é similar à do corredor ugandense Joshua Cheptegei. “Preso” em casa devido à Covid-19 e sem poder encontrar seu treinador, ele reduziu a rotina de treinos e pôde dormir e descansar mais. Sua meta era a medalha de ouro nos 5 mil metros no Japão, mas ele foi além antes mesmo dos Jogos: Joshua quebrou o recorde mundial da modalidade.

Sono melhor, mas saúde mental prejudicada

Apesar das comprovadas ligações entre o sono de qualidade e a saúde mental, no caso de muitos atletas na pandemia, eles foram afetados de maneira diferente. A conclusão é da mesma pesquisa australiana mencionada anteriormente.

O aumento do tempo de tela (uso de eletrônicos), a exposição à luz natural diminuída e a redução drástica dos treinos aumentaram os episódios de depressão e ansiedade entre os atletas que participaram do estudo. 

Com novas ondas de contaminação obrigando muitos países a retornarem o isolamento social e o lockdown, urge que o sono seja uma prioridade. “Sempre que possível, os atletas deveriam ter flexibilidade das horas de treino para que eles consigam ter consistência entre os dias de trabalho e dias livres“, diz o documento. Isso também vale para quando a pandemia acordar.

O sono de qualidade, em todos os seus aspectos (quantidade, qualidade e respeito à predisposição natural – cronotipo), é importante para que os atletas tenham melhor saúde mental e emocional, maximizem sua performance e ainda evitem o treino excessivo, que pode ter efeitos negativos nos resultados. Mas o sono não está sozinho e necessita de outros fatores.

“Também é preciso enfatizar a necessidade de aumentar a interação social e motivação para aqueles atletas que estão treinando isolados para melhorar a sua saúde emocional“, explica a Dra. Elise Facer-Childs, líder da pesquisa.

Ressaltamos que alguns estudos mais restritos apontam caminhos contrários, indicando uma queda na qualidade do sono dos atletas na pandemia de Covid-19. O estudo australiano mencionado, porém, é um dos mais abrangentes feitos no período, mostrando uma variedade de modalidades e maior quantidade de voluntários. 

O Persono tem muito orgulho de ser fornecedor oficial do timaço que nos representará no Japão. Sucesso ao Time Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Durmam bem.

Compartilhar artigo

Leia também

Arrow
Arrow
Faça parte da comunidade Persono
Enviaremos somente conteúdos relevantes para contribuir com a qualidade do seu sono e não encher a sua caixa de email